Amor proibido de Nassau e uma cortesã em Olinda!

O espetáculo Ana de Ferro, Rainha dos Tanoeiros do Recife volta a se apresentar no Teatro Marco Camarotti/SESC Santo Amaro nos dias 21 e 22 de setembro, sexta-feira e sábado, ás 20h. O romance entre o governador de Pernambuco durante o Brasil holandês e uma cortesã no cais do porto do Recife é pano de fundo para narrar os amores impossíveis da boemia do século XVII.

Inspirada no poema de Vital Correia Araújo e em pesquisas do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico de Pernambuco, a carioca Miriam Halfim criou um texto histórico com lampejos de ficção apresentando personagens reais em situações possíveis de terem acontecido.

 

A encenação do pernambucano Emanuel David D’ Lúcard busca criar uma ponte entre os séculos XVII e XXI, elencando perspectivas sobre gênero, religião e racismo. Disposto numa forma de passarela, a direção insere o público na cena na busca de uma reflexão social. Separando homens e mulheres para conseguir tal feito.

 

O espetáculo traz em seu corpo imagético elementos cênicos de época; figurinos, cenários e adereços construídos com materiais, texturas e composições contemporâneas. Assim também segue o trabalho dos atores que mesclam com momentos realistas e simbólicos numa dinâmica de graphic novel.

 

Desde sua chegada em Recife, Ana de Ferro causa alvoroço nas normas da colônia, quando vem da Europa travestida de homem. Na capital pernambucana compra Zambi, um escravo, mas logo o declara amigo. Forma parceria com outra cortesã, Maria Cabelo de Fogo, e abre um dos bordéis mais frequentados na Rua dos Tanoeiros. Por um ato de racismo, ente Zambi e o mestre do presídio, Maurício de Nassau vive uma apaixonante e breve história de amor com Ana. Já Maria tem que reviver os tormentos do passado num reencontro doloroso, enquanto ecos de Palmares convidam Zambi para o quilombo.

 

A peça conta com uma trilha sonora contemporânea que traz releituras de músicas que vão desde Edith Piaf a Reginaldo Rossi, passando por obras como Hallelujah e Assum Preto.

 

“É um espetáculo que trata de amores impossíveis, que busca desconstruir o estereótipo dos que vivem nas margens sociais, expondo a humanidade latente por meio dos sentimentos mais profundos. É um espetáculo que propões reflexões de períodos tão distantes, mas que passam pelos mesmos paradigmas sociais.” Pontua D’Lúcard sobre a encenação.

 

FICHA TÉCNICA

Realização: Grupo Teatral Risadinha

Texto: Miriam Halfim

Poema: Vital Correia Araújo

Encenação e Identidade Visual: Emanuel David D’ Lúcard

Produtora Executiva: Patrícia Assunção

Assistente de Produção: Geraldo Cosmo

Direção de Arte e Confecção de Figurino e Adereços: Francis de Souza

Direção Musical: Samuel Lira

Coreografia: Anderson Henry

Designer de Luz e Execução: João Paulo

Operador de Som: Josinaldo Alves

 

 

Plano e Execução de Maquiagem: Cláudia Alves

Criação do Cenário: Felipe Lopes

Execução do Cenário: Marcelo Bonfim

Divulgação: Pedro Dias

Consultora Histórica: Suzana Veiga

Fotografia e Filmagem: Carlos Kamara/Ambar Produtora

Serviços Gráficos: Clã de Comunicadores

Contrarregra: Edson Rodrigues

Elenco: Cláudia Alves, Euclides Farias, Geraldo Cosmo, João Arthur, Marcos Pergentino, Patrícia Assunção, Pedro Dias e Telma Ratta.

 

Serviço:

Peça: Ana de Ferro, Rainha dos Tanoeiros do Recife

Local: Teatro Marco Camarotti/SESC Santo Amaro, Rua Treze de Maio, 455, Santo Amaro, Recife, Pernambuco

Data: 21, 22 de Setembro, sexta-feira e sábado

Horário: 20:00h

Duração: 80 minutos

Ingresso: Inteira R$40,00 Meia R$20,00

Informações: 98782-6804/ 99536-4746

 

Pedro Dias, ator

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Current ye@r *