Teatro da Vida (Causos) e Poesias

O que escrever, no túmulo, se você é… – ESPÍRITA: Volto já. INTERNAUTA: www.aquijaz.com.br. AGRÔNOMO: Favor regar o solo com Neguvon. Evita Vermes. ALCOÓLATRA: Enfim, sóbrio. ARQUEÓLOGO: Enfim, fóssil. ASSISTENTE SOCIAL: Alguém aí, me ajude! MANO: Fui. CARTUNISTA: Partiu sem deixar traços. POLICIAL: Tá olhando o quê? Circulando, circulando… ECOLOGISTA: Entrei em extinção. ENÓLOGO: Cadáver envelhecido em caixão de carvalho, aroma Formol e after tasting que denota presença de microorganismos diversos. FUNCIONÁRIO PÚBLICO: É no túmulo ao lado. GARANHÃO: Rígido, como sempre. GAY: Virei purpurina. HERÓI: Corri para o lado errado. HIPOCONDRÍACO: Eu não disse que estava doente?!?! HUMORISTA: Isto não tem a menor graça. JANGADEIRO DIABÉTICO: Foi doce morrer no mar. JUDEU: O que vocês estão fazendo aqui? Quem está tomando conta do lojinha? PESSIMISTA: Aposto que está fazendo o maior frio no inferno. PSICANALISTA: A eternidade não passa de um complexo de superioridade mal resolvido. SANITARISTA: Sujou!!! SEX SYMBOL: Agora, só a terra vai comer. VICIADO: Enfim, pó! ADVOGADO: Disseram que morri…, mas vou recorrer!!!

  

É melhor rir… – “Fora esse malfeitor!”: Finalmente, descobriu-se o verdadeiro vilão da história!.. Estudos europeus revelaram os efeitos das bebidas sobre o organismo. Existem evidências de que:  Vodka + Gelo = lasca os rins! Rum + Gelo = prejudica o fígado! Whisky + Gelo = judia o coração! Gin + Gelo = retrocessa o cérebro! Coca-Cola + Gelo = danifica o estômago! Pelo que parece é esse filho da mae do Gelo que estraga tudo! Estou tomando uma antipatia de Gelo … E eu que pensava que ele era inofensivo!!!

 

…Rir sempre – “O bêbado”: O bêbado é detido pela Polícia às 3 da manhã. O policial pergunta: – Aonde vai a esta hora? O bêbado responde:- Vou a uma conferência sobre o abuso do álcool e seus efeitos letais para o organismo, o mau exemplo, as consequências nefastas para a família, bem como o problema que causa na economia familiar e a irresponsabilidade absoluta. O policial olha sem acreditar e diz:  Sério? E quem vai dar essa conferência a esta hora da madrugada? – E quem pode ser?… A minha mulher. Logo que eu chegar em casa.
POESIAS

 

Filhos da Caatinga

 

Robson Sampaio

 

Ôxente, meu fio,

cadê o boi no cercado

e toda aquela plantação?

Foi embora no vento,

sumiu tudo no céu,

feito ave de arribação.

Agora, é só terra em brasas,

ardendo que nem tição.

 

Do gado só as cabeças,

igual à assombração.

Feito rio escorregadio,

a terra plantada se foi,

levada no deslize do chão.

Ai, que tamanha judiação.

 

Inhô, num gema não,

basta de choro e reza,

feitos só de lamentação.

A terra é seca e batida,

igual alma sem alumiação,

mas, de gente com fé no Santo,

indo e vindo, solta pelo Sertão.

 

São os filhos da Caatinga

sofrendo toda humilhação.

Mas, briga, mata, esfola ou morre,

mesmo sem ser Lampião.

Ôxente, sêo Capitão,

Virge, Santa Maria,

pra quê ser tão valentão?

Num tem nem quase a vida

e, muito menos, esse chão.

 

Cruz Credo, Ave Maria,

dê-me a benção Padim Ciço,

pois, é só dor no meu Sertão.

Mas, juro meu Santo querido,

que de fome, a gente num morre não.

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Sinfonia dos Vagabundos

*Robson Sampaio

  

        Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

compor a Sinfonia dos poetas,

boêmios e miseráveis.

Vaguemos pelas ruas sujas e

fétidas, onde chagas de dor

e de desespero são expostas na

Sinfonia de todos os dias.

 

       Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

ouvir a ladainha das devotas

beatas a compor a Sinfonia

dos pecadores de corpo e de alma.

 

       Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

cantar o frevo-canção de dor,

de tristeza e de saudade,

num cântico excêntrico da

Sinfonia dos Vagabundos…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Choramingar da viola  

                

*Robson Sampaio

O choramingar da velha e ensebada viola

emite sons que parecem rezas abençoadas

por santos puros e impuros:

Sacrilégio?

 

O choramingar da velha e ensebada viola

entoa cânticos em dias de festas nas antigas

ruas e igrejas:

Profano e Religioso?

 

O choramingar da velha e ensebada viola

ecoa no oráculo sem perdão dos rituais sacramentos

e dos sentimentos do povo:

Inquisição?

 

O choramingar da velha e ensebada viola

já não alcança a surdez dos desertos de hoje:

A bença, mãe! A bença, pai!

Salvação?

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Desabafo

 

Robson Sampaio            

Eu queria falar

Faltaram palavras

Eu queria gritar

Faltou voz

Eu queria chorar

Faltaram lágrimas

Eu queria sorrir

Faltou alegria

Eu queria ser bom

Faltou compreensão

Eu queria ser mau

Faltou coragem

Eu queria ter fé

Faltou crença

Eu queria ser feliz

Faltou você

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Eu sou Capibaribe   

 

*Robson Sampaio

 

Dos mangues do rio arranquei

a carne da sobrevivência:

as iguarias das mesas das sirigaitas.

 

Das águas do rio tirei

o som da flauta;

a composição dos pássaros,

a sinfonia de todos os cânticos.

 

Vim de muito longe,

passei por Beberibe;

eu sou recifense,

eu sou Capibaribe.

 

Nas correntezas do rio embalei

os nossos sonhos,

o mergulho profundo:

ora vida, ora morte.

 

Vim de muito longe,

passei por Beberibe;

eu sou recifense,

eu sou Capibaribe.

(A Zé da Flauta)

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE).

Feliz, ele…    

Robson Sampaio

(* A Paulo Mendes Campos)

 

O poeta teve o bairro, o mar

e o bar.

Feliz, ele…

Desprezou o outrora para que a

rosa não lhe perturbasse os

sonhos.

O mar teve como o amor maior,

onde derramou lágrimas

para que não se perdessem no

tempo.

Como mágico das palavras (ou seria poesia,

coisa só sua, íntima e necessária?), diz que

a vida enganou a vida, o homem enganou o

homem.

E que multiplicou a sua dor e, também,

a esperança.

Feliz, enganou a todos nós, pois teve o

bairro, o mar e o bar.

Feliz, ele… E eu!

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

Mulher  

*Robson Sampaio

Mulher-menina

Mulher-amiga

Mulher-briga (ou intriga)

Mulher-amada (ou desejada)

Mulher-amor,

Ah, o amor!

 

Amor-gostoso

Sem aval (ou endosso)

Amor-verdade

Amor-instinto

Amor-paixão

Amor-amor

Mulher-saudade

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 Ah, essa mulher bonita!

 

Robson Sampaio

Ah, essa mulher bonita!

Inventa e reinventa modas.

Primeiro, ajustando o corpo

e, depois, a alma,

só para nos agradar.

Por isso, suave é o dia,

doce é essa mulher…

Sorriso delicado, ar atrevido,

espírito irreverente, misto de

mulher e menina, um quê de moleca

com um quê de sensual…

Enigmas em sintonia

com o verde-azul do mar…

Ah, essa mulher bonita!

Por isso, suave é o dia,

doce é essa mulher…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

 

 rsampaioblog@gmail.com

Leia Mais

Teatro da Vida (Causos), Poesias, Minipoemas e Frases

“Orientações de um advogado para sexo seguro” – Você se lembra do tempo em que sexo seguro era usar camisinha para evitar doenças sexualmente transmissíveis e gravidez? Esqueça, os bons tempos acabaram. Confira as dicas que um homem deve observar no mundo feminista moderno! A coisa tá ficando assim: Sabe aquela gatinha que você conheceu na balada, deu o maior mole, e você convidou para um motel e ela topou? Primeiro, a leve a um hospital e peça um teste de dosagem de álcool e outras drogas, para evitar a acusação de posse sexual mediante fraude (Art. 215 CP). Depois, passe com ela num cartório e exija que ela registre uma declaração de que está praticando sexo consensual, para evitar acusação de estupro (Art. 213 CP). Exija ainda uma declaração de que ela está praticando sexo casual, para evitar pedido de pensão por rompimento de relação estável (Lei 9.278, Art. 7). Depois, vá a um laboratório e exija o exame de Beta-HCG (gonadotrofina coriônica humana), para ter certeza que você não é o pato escolhido para sustentá-la na gravidez de um bebê que não é seu (Lei 11.804 Art. 6).

É melhor rir…

No motel ou em casa, use camisinha e nada de “sexo forte” pra evitar acusações de violência doméstica e pegar a Lei Maria da Penha nas costas. Além disso, você deve paparicá-las, elogiá-las, jamais criticá-las ou reclamar coisa alguma, devem ser perfeitos capachos, para não causar qualquer “sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral”, sem que tenha obviamente os mesmos direitos em contrapartida.(Lei 11.340 Art. 5). Na saída do motel leve-a ao Instituto Médico Legal e exija um exame de corpo de delito, com expedição de laudo negativo para lesões corporais (Art. 129 CP).

…Rir sempre      

E laudo negativo para presença de esperma na vagina, para tentar evitar desembolsar nove meses de bolsa-barriga, caso ela saia dali e engravide de outro (Lei 11.804 Art. 6). Finalmente, se houver presença de esperma na vagina da moça, exija imediatamente uma coleta de amostra para futura investigação de paternidade (Lei 1.060 Art. 3 inciso VI) e solicitação de restituição de eventuais pensões alimentícias obtidas mediante ardil ou fraude (Art. 171 CP). Fazendo tudo isso, agora você pode fazer “sexo seguro”. Se ainda estiver interessado!

 

 

Poesias

  

Sou arrecifes…      

 *Robson Sampaio

 

Sou arrecifes,

de pedra esculpida nos

rebentes das ondas do mar

e na força dos ventos.

 

Sou arrecifes,

de arrebentação

de Sol no rosto

de águas azuis

de gosto de sal

de gente do frevo.

 

Sou arrecifes,

de pedra esculpida

de pontes rochosas

na sinuosidade

do Rio Capibaribe.

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 Recifense…

 *Robson Sampaio

 

Nas águas eternas do Rio Capibaribe,

naveguei sonhos e derramei lágrimas

de tristezas e de alegrias.

 

Nas ondas salgadas da Praia de Boa Viagem,

molhei o corpo e purifiquei a alma.

 

Nas pontes históricas do Recife,

forjei o destino e percorri as trilhas

da vida.

 

E, só assim, me tornei recifense…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Saudade danada…  

 *Robson Sampaio

 

Recife,

cadê teus arraiais,

canaviais, mucamas

e sinhazinhas?

– Casa-Grande

 

Recife,

cadê teu forró,

ciranda, maracatu

e frevo?

– Carnaval

 

Recife,

cadê teu mar,

pontes, praças

e rios?

– Beberibe e Capibaribe

 

Recife,

cadê teus boêmios,

bares, batida gelada

e mulheres?

– Poesia

 

Recife,

não mais te encontro

e sinto uma saudade

danada…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

(In)consciência!  

 

 *Robson Sampaio

 

Anjo, ele é.

Só que é um anjo diferente desses

que enfeitam igrejas, santuários, capelas

ou que aparecem corados, gorduchos e

risonhos em pinturas celestiais.

 

Anjo, ele é.

É um anjo do sofrimento, do abandono,

da fome, da miséria e do esquecimento.

Mas é um anjo, mesmo sem nada, sem-teto,

sem arcanjo e sem guarda.

 

Anjo, ele é.

De traços angélicos, de olhar infantil,

que chora de fome, que treme de frio; que

dorme nas calçadas ou nas mesas solitárias

dos bares vazios das noites-madrugadas.

 

É um anjo, sim.

De vestes esfarrapadas, de corpo sujo,

de andar sem rumo, de extrema penúria,

de querer ser santo na espera da morte.  

É o anjo da nossa (in)consciência!

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

  

Duas lágrimas…  

 *Robson Sampaio

 

Amparei as duas lágrimas

em cada uma das minhas mãos

e as beijei.

E elas transformaram-se

em águas do mar…

 

Salgadas, sim!

Dolorosas, sim!

Saudosas, sim!

 

Duas lágrimas nas palmas das mãos

 e apenas um coração.

Numa dor que, só na saudade,

se é capaz de sentir em nome do amor…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

Gotejos…

 

 *Robson Sampaio

 

Um tiquinho d’ água fluindo,

naquela vastidão de chão,

traz para a minha alma a

saudade de uma terra, que

nem o tempo me fez esquecer.

 

Lá adiante, corre um fiozinho d’ água

a inundar os meus olhos e as lágrimas

descem pela minha face molhada,

com a água daquele riachinho

transbordando de lembranças.

 

E daquele riachinho, a ermo,

na imensidão da terra seca,

pingam gotas de emoções a

deslizar tempo afora.

São os gotejos da minha vida.

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

Minipoemas

 

Alma

Um dia, em Paris, a

artista disse: “Quando

conhecer a tua alma,

eu pinto os teus olhos”.

E pintou nas duas

formas: aberto e

fechado.

 

II

Séculos depois, o poeta

disse: “Sem o dom dos

pincéis, eu não posso te

pintar. Mas, te amar de

corpo e alma”. (RS)

 

Recordações    

Na calçada, a mulher

rendeira e, na janela,

a moça brejeira.

Nos paralelepípedos,

a correria de meninos

e, na praça ao lado, o

canto de pássaros. E,

assim, o tempo voa e

mistura o ontem, o

hoje e o amanhã… (RS)

 

 Sertão        

Chão de pedras e

aperto no coração,

rios de águas,

mas, só nas lágrimas.

Valha-me, Nosso

Senhor!

Os salmos dos anjos

não chegam no meu

Sertão!  (RS)

 

Palafitas    

Eu moro no mar, “sêo”

“Dotô”, em riba de uns

cambitos de pau sem

vara de pescar.

E as ondas do mar não

embalam, como nas

canções de ninar.   (RS)

 

Desejo  

Na mão, a flor

No olhar, a paixão

No coração, o amor

Na cama, o desejo

jamais saciado… (RS)

 

Frases

A vida e a morte são irmãs siamesas. Mas, prefiro a primeira: sempre”.  “A gente sempre exige dos outros, o que nem sempre fazemos”.  Jornalista escreve quase tudo. Mas, quem escreve tudo mesmo é o dono do jornal”.  “Só diga a uma mulher  que a ama, se for verdade”.   “Jornalista, poeta, escritor, ator, compositor, cantor e  artista plástico. Ah, gente complicada”!  “A desigualdade neste País, só acaba  muda daqui a uns 500 anos”. “Nos anos de eleições, os políticos estão cheios de grande ideias. E o povo, Ó”! (RS)

 

rsampaioblog@gmail.com

 

 

 

Leia Mais

Teatro da Vida (Causos) e Poesias

A frase certa… O cara acordou com a “mãe de todas as ressacas!” Virou-se e, ao lado da cama, havia um copo de água e duas aspirinas. Olhou em volta e viu a roupa passada e pendurada. O quarto estava em perfeita ordem. Havia um bilhete de Cristiane, a sua esposa: “Querido, deixei o seu café pronto na copa. Fui ao supermercado. Beijos”. Na cozinha, um puto de um café o esperando. Aí, ele perguntou à filha: “O que aconteceu, ontem?” “Bem pai, você chegou, às 3 da madrugada, completamente bêbado, vomitou no tapete da sala, caiu por cima dos móveis, quebrando-os; fez xixi no guarda-roupa e machucou o olho ao bater na porta do quarto”. “E por que está tudo arrumado, café preparado, roupa passada, aspirinas para a ressaca e um bilhete amoroso da sua mãe?”, indagou o pai. “Bem, é que a mamãe o arrastou até a cama e, quando estava tirando a sua calça, você disse: “Não faça isso moça, eu sou casado.” Conclusões: uma ressaca – 235,00 reais, móveis destruídos – 1.200,00, café da manhã – 28,00 e dizer a frase certa, no momento certo e, para a mulher certa, não tem preço, companheiros.

Poesias

Saudade danada…  

 

 Robson Sampaio*

 

Recife,

cadê teus arraiais,

canaviais, mucamas

e sinhazinhas?

– Casa-Grande

 

Recife,

cadê teu forró,

ciranda, maracatu

e frevo?

– Carnaval

 

Recife,

cadê teu mar,

pontes, praças

e rios?

– Beberibe e Capibaribe

 

Recife,

cadê teus boêmios,

bares, batida gelada

e mulheres?

– Poesia

 

Recife,

não mais te encontro

e sinto uma saudade

danada…

 

*Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 Sou arrecifes…

    

Robson Sampaio*

 

Sou arrecifes,

de pedra esculpida nos

rebentes das ondas do mar

e na força dos ventos.

 

Sou arrecifes,

de arrebentação

de Sol no rosto

de águas azuis

de gosto de sal

de gente do frevo.

 

Sou arrecifes,

de pedra esculpida

de pontes rochosas

na sinuosidade

do Rio Capibaribe.

 

*Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

Vai homem…  

 

Robson Sampaio *

Vai homem,

segue a estrada,

 vive a vida,

a vivência da vida

 

Vai homem,

cruze a encruzilhada,

não olhe para trás,

tece o teu destino.

 

Vai homem,

sua a testa com trabalho,

bebe a água do rio,

ergue o teu futuro.

 

Vai homem,

ama a natureza,

purifica a tua alma,

reverencia a Deus.

 

Vai homem,

esquece o ódio,

ilumina a escuridão,

enaltece o amor.

 

Vai homem,

segue a estrada,

 vive a vida,

a vivência da vida.

 

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Poetas do Recife  

Robson Sampaio *

 

Perfume de poemas no ar,

casario repleto de fantasmas

que saem, quase sempre, em busca

da boemia do Recife Antigo.

São os poetas da vida, das ruas,

do bairro, do mar, dos arrecifes.

Andarilhos em busca

do bálsamo para a desilusão,

dos braços quentes e fogosos das

mucamas dos dias de hoje,

não mais amas das sinhazinhas fidalgas,

mas serviçais dos desejos da carne.

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Maragogi

 

 Robson Sampaio *

 

   A vila era tão pequena,

mas tão pequenina,

que cabia na menina dos meus olhos.

O ruído do silêncio era tão quieto,

mas tão quieto,

e somente ouvido no suave

roçar do mar na areia

ou no sibilar das folhas

arrastadas pelo vento.

As águas, mares ao redor de ilhotas,

eram tão verdes ou, às vezes, tão azuis,

a parecer arco-íris fincado

no céu para sempre.

O povo, a natureza, as palhoças,

a vila toda, a contemplar,

lá no alto do Cruzeiro, a cruz dos mártires,

o símbolo da liberdade e da fé,

iluminada, apenas, pelo brilho

do sol e das estrelas.

Tudo era tão miúdo,

mas tão miúdo,

que o amor cabia na alma,

a alma no coração, o coração na vila,

a vila na menina dos olhos,

os olhos na saudade.

Saudade, que ainda se chama

Maragogi…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

A meu pai, Zeca  

 

Robson Sampaio *

O manto da morte sobressaiu-se

na escuridão da noite.

Ao amanhecer,

a tua alma confundiu-se com

esparsas nuvens.

O lacrimejar dos olhos não

me transformou em correntezas,

mas o meu coração inundou-se

com um mar de saudades,

pai…

Saudades de Dinah, Zé Neto, Robson,

César, Gibson e Jackson.

 

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Cruz do Patrão

Robson Sampaio *

Ecoam gritos eternos na

vastidão das noites e do mar.

Gritos de dor lancinante,

tão fortes que varam os

arrecifes, as almas emitem

sons quase selvagens.

São lamentos de negros

sem o sonho da liberdade,

feridos de saudades e de morte.

Submissos à espera do senhorio

estão os filhos da vida sem-vida,

confinados na Cruz do Patrão,

onde o tempo não sepulta a lenda

e a injustiça ainda açoita os insepultos,

escravos-fantasmas…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

rsampaioblog@gmail.com

Leia Mais

Teatro da Vida

Somos petistas…– O pai chega em casa vestido numa novíssima camisa do PT, entra no quarto do filho e beija o retrato de Che Guevara na parede. O rapaz espantado pergunta: – Que é isso pai? Ficou maluco? Logo você que é o maior “coxinha”, “reaça” de primeira vestindo a camisa do PT? – Que nada filho! Agora sou petista! Conversamos tanto sobre o Partido que você me convenceu! PT! PT! VIVA O PT! – grita o velho. O rapaz, membro do DCE da universidade onde já faz um curso de quatro anos há oito anos e fiel colaborador da JPT não se aguenta de tanta alegria! – Senta aí companheiro! Vamos conversar! O que foi que te levou a essa decisão?  O pai senta-se ao lado do filho e explica: – Pois é… cansei de discutir contigo e passei a achar que você tem razão. Por falar nisso, lembra do Luís, aquele que te pediu dois mil reais da tua poupança emprestado para dar entrada numa moto? – O que tem ele? Pergunta o filho… – Pois é… Liguei pra casa dele e perdoei a dívida. E fiz mais! Falei que ele não precisa se preocupar com as prestações, pois vou usar oitenta por cento da sua mesada para pagar o financiamento! – Pai!!!!! Você ficou louco? Pirou?  –Filho, lembre-se que agora nós somos petistas” Perdoar dívidas e financiar o que não é nosso com o que não é nosso é a nossa especialidade! Temos que dar o exemplo! E tem mais! Agora 49% do seu carro eu passei para sua irmã. Vendi pra ela quase a metade do seu carro! Dessa forma você continua majoritário mas só podendo usá-lo em 51% do tempo!  – Mas o carro é meu, papai! Não podia fazer isso! Não pode vender o que não é seu! – Podia sim! A Dilma fez isso com a Petrobrás e você foi o primeiro a apoiar! Só estamos seguindo o caminho dela! O garoto, incrédulo e desolado entra em desespero, mas o pai continua: – Outra coisa! Doei seu computador, seu notebook e seu tablet para os carentes lá do morro. Agora eles vão poder se conectar! – Pai! Que sacanagem é essa? – Não é sacanagem não, filho! Nós petistas defendemos a doação do que não é nosso, lembra? Doamos aviões, helicópteros,  tanques… O que é um computador, um tablet e um note diante disso?

Prestes a entrar em colapso, o garoto recebe a última notícia:  – Filho, lembra daquele assaltante que te ameaçou de morte, te espancou e roubou teu celular? Vou agora mesmo retirar a queixa e depois para a porta da penitenciária exigir a soltura dele, dizendo que ele é inocente! – Pai… pelo amor de Deus… Você não pode fazer isso… O cara é perigoso! – Perigoso nada! É direitos Humanos que nós pregamos, filho! Somos petistas com muito orgulho!  – Mas o cara me espancou! Me roubou, pai! – Alto lá! Não há provas disso! Isso é estado de exceção! O rapaz é inocente! Nós fizemos a mesma coisa com os companheiros acusados no mensalão! – Mas ele estava armado quando a polícia chegou! – E daí????? Ele estava armado mas quem prova que a arma era dele? A revista Veja? Isso é coisa de reaça, filho! – Papai, você ficou doido! E o pai finaliza: – Fiquei doido? Na hora de defender bandido que roubou uma nação você é petista, mas se roubarem você, deixa de ser. Na hora de doar, perdoar dívidas e fazer financiamentos com o que é dos outros, você é petista. Mas se fizer o mesmo com você, deixa de ser. Na hora de dilapidar o patrimônio nacional, vendendo o que é mais precioso e não pertence ao PT e sim ao povo, você é petista, mas se vender metade do que é seu, você deixa de ser!  – PEGA AS SUAS COISAS E SUMA DAQUI! – Vou pra onde, papai? Perguntou chorando… – Agora você é um dos sem-teto que você defende, seu moleque cagão! E vai se consultar com médico cubano, porque eu cancelei teu plano de saúde! Dois dias depois o moleque bateu na porta curado. Não era mais petista e não havia mais DCE ou JPT. E nem chamava o pai de “reaça”.  E o milagre da educação aconteceu. (Diogo Mainardi,jornalista).  Sensacional.

Os fantoches famosos do Brasil…

Enviado por Xenia Calheiros

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

O Naro –Chega de política. Vou contar piada. O nome do menino era Naro ele perdeu 17 reais e desesperado perguntou a mãe, mãe sabe onde está meus 17 reais ? Tá no Bolso Naro…

*Gastos com a campanha presidencial 2018*

Nas Redes Sociais:

Meireles – R$ 45 Milhões; – Alckmin – R$ 32 Milhões; – Haddad – R$ 29 Milhões; – Ciro – R$ 10 Milhões; – Marina – R$ 4 Milhões; – Bolsonaro – WI-FI do Hospital.

Wilson Dias/Agência Brasil

 

 

rsampaioblog@gmail.com

DEIXE UM COMENTÁRIO:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais