Teatro da Vida (Causos) e Poesias

Sexo – Você sabe que hoje è o dia mundial do SEXO? ​O QUE É SEXO​ ​SEGUNDO o MÉDICO​, é uma doença, porque sempre acaba na cama. ​SEGUNDO o ADVOGADO​, é uma injustiça, porque sempre há um que fica por baixo. ​SEGUNDO o ENGENHEIRO​, é uma máquina perfeita, porque é a única que pode trabalhar deitada. ​SEGUNDO o ARQUITETO​, é um erro de projeto, porque a área de lazer fica muito próxima à rede de esgoto. ​SEGUNDO o POLÍTICO​, é um ato de democracia perfeito, porque todos gozam independente da posição.(na Internet).

 

 Poema do Amor…

Eu tinha Marcela

Me tiraram o mar

Só sobrou a cela

Autor: Temer

 

 

 

 

 

 

 

 

 Nas Redes Sociais: Vai trabalhar vagabundo…

POESIAS
Às Mães…

Maria…

*Robson Sampaio

 

O quadro pintado

em preto e branco

não tinha o colorido

da vida terrena e,

sim, o negro da noite

e o clarão do dia.

Mas aquela mulher,

com a criança nos braços,

bem que poderia ser

a Virgem Maria…

* À minha mãe, Dinah.

* Saudades de Dinah, Zé Neto, Robson, Cézar, Gibson e Jackson

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Mãe…    

*Robson Sampaio

Palavra-ventre

Palavra-menina

Palavra-moça

Palavra-mulher

Palavra-vida

Palavra-luz

Palavra-Santa

Todas mulheres

Todas Marias

Todas Luzias

Todas Santas

Santas Marias

Marias e Luzias

de todos os filhos…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

A bença, mãe…

*Robson Sampaio

 

A mulher é a obra-prima

de Deus.

Mãe, filha, irmã, amiga e

amante.

Todas sublimes.

 

Josefa deu à luz!

Severina pariu!

Maria concebeu Jesus!

 

As sementes germinam:

no ventre a vida,

no coração o amor,

no olhar a ternura e,

na alma, a luz.

 

Todas sublimes,

todas maternas,

todas filhas de Maria.

A bença, mãe!

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

rsampaioblog@gmail.com

Leia Mais

Teatro da Vida (Causos) e Poesias

O que escrever, no túmulo, se você é… – ESPÍRITA: Volto já. INTERNAUTA: www.aquijaz.com.br. AGRÔNOMO: Favor regar o solo com Neguvon. Evita Vermes. ALCOÓLATRA: Enfim, sóbrio. ARQUEÓLOGO: Enfim, fóssil. ASSISTENTE SOCIAL: Alguém aí, me ajude! MANO: Fui. CARTUNISTA: Partiu sem deixar traços. POLICIAL: Tá olhando o quê? Circulando, circulando… ECOLOGISTA: Entrei em extinção. ENÓLOGO: Cadáver envelhecido em caixão de carvalho, aroma Formol e after tasting que denota presença de microorganismos diversos. FUNCIONÁRIO PÚBLICO: É no túmulo ao lado. GARANHÃO: Rígido, como sempre. GAY: Virei purpurina. HERÓI: Corri para o lado errado. HIPOCONDRÍACO: Eu não disse que estava doente?!?! HUMORISTA: Isto não tem a menor graça. JANGADEIRO DIABÉTICO: Foi doce morrer no mar. JUDEU: O que vocês estão fazendo aqui? Quem está tomando conta do lojinha? PESSIMISTA: Aposto que está fazendo o maior frio no inferno. PSICANALISTA: A eternidade não passa de um complexo de superioridade mal resolvido. SANITARISTA: Sujou!!! SEX SYMBOL: Agora, só a terra vai comer. VICIADO: Enfim, pó! ADVOGADO: Disseram que morri…, mas vou recorrer!!!

  

É melhor rir… – “Fora esse malfeitor!”: Finalmente, descobriu-se o verdadeiro vilão da história!.. Estudos europeus revelaram os efeitos das bebidas sobre o organismo. Existem evidências de que:  Vodka + Gelo = lasca os rins! Rum + Gelo = prejudica o fígado! Whisky + Gelo = judia o coração! Gin + Gelo = retrocessa o cérebro! Coca-Cola + Gelo = danifica o estômago! Pelo que parece é esse filho da mae do Gelo que estraga tudo! Estou tomando uma antipatia de Gelo … E eu que pensava que ele era inofensivo!!!

 

…Rir sempre – “O bêbado”: O bêbado é detido pela Polícia às 3 da manhã. O policial pergunta: – Aonde vai a esta hora? O bêbado responde:- Vou a uma conferência sobre o abuso do álcool e seus efeitos letais para o organismo, o mau exemplo, as consequências nefastas para a família, bem como o problema que causa na economia familiar e a irresponsabilidade absoluta. O policial olha sem acreditar e diz:  Sério? E quem vai dar essa conferência a esta hora da madrugada? – E quem pode ser?… A minha mulher. Logo que eu chegar em casa.
POESIAS

 

Filhos da Caatinga

 

Robson Sampaio

 

Ôxente, meu fio,

cadê o boi no cercado

e toda aquela plantação?

Foi embora no vento,

sumiu tudo no céu,

feito ave de arribação.

Agora, é só terra em brasas,

ardendo que nem tição.

 

Do gado só as cabeças,

igual à assombração.

Feito rio escorregadio,

a terra plantada se foi,

levada no deslize do chão.

Ai, que tamanha judiação.

 

Inhô, num gema não,

basta de choro e reza,

feitos só de lamentação.

A terra é seca e batida,

igual alma sem alumiação,

mas, de gente com fé no Santo,

indo e vindo, solta pelo Sertão.

 

São os filhos da Caatinga

sofrendo toda humilhação.

Mas, briga, mata, esfola ou morre,

mesmo sem ser Lampião.

Ôxente, sêo Capitão,

Virge, Santa Maria,

pra quê ser tão valentão?

Num tem nem quase a vida

e, muito menos, esse chão.

 

Cruz Credo, Ave Maria,

dê-me a benção Padim Ciço,

pois, é só dor no meu Sertão.

Mas, juro meu Santo querido,

que de fome, a gente num morre não.

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Sinfonia dos Vagabundos

*Robson Sampaio

  

        Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

compor a Sinfonia dos poetas,

boêmios e miseráveis.

Vaguemos pelas ruas sujas e

fétidas, onde chagas de dor

e de desespero são expostas na

Sinfonia de todos os dias.

 

       Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

ouvir a ladainha das devotas

beatas a compor a Sinfonia

dos pecadores de corpo e de alma.

 

       Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

cantar o frevo-canção de dor,

de tristeza e de saudade,

num cântico excêntrico da

Sinfonia dos Vagabundos…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Choramingar da viola  

                

*Robson Sampaio

O choramingar da velha e ensebada viola

emite sons que parecem rezas abençoadas

por santos puros e impuros:

Sacrilégio?

 

O choramingar da velha e ensebada viola

entoa cânticos em dias de festas nas antigas

ruas e igrejas:

Profano e Religioso?

 

O choramingar da velha e ensebada viola

ecoa no oráculo sem perdão dos rituais sacramentos

e dos sentimentos do povo:

Inquisição?

 

O choramingar da velha e ensebada viola

já não alcança a surdez dos desertos de hoje:

A bença, mãe! A bença, pai!

Salvação?

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Desabafo

 

Robson Sampaio            

Eu queria falar

Faltaram palavras

Eu queria gritar

Faltou voz

Eu queria chorar

Faltaram lágrimas

Eu queria sorrir

Faltou alegria

Eu queria ser bom

Faltou compreensão

Eu queria ser mau

Faltou coragem

Eu queria ter fé

Faltou crença

Eu queria ser feliz

Faltou você

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Eu sou Capibaribe   

 

*Robson Sampaio

 

Dos mangues do rio arranquei

a carne da sobrevivência:

as iguarias das mesas das sirigaitas.

 

Das águas do rio tirei

o som da flauta;

a composição dos pássaros,

a sinfonia de todos os cânticos.

 

Vim de muito longe,

passei por Beberibe;

eu sou recifense,

eu sou Capibaribe.

 

Nas correntezas do rio embalei

os nossos sonhos,

o mergulho profundo:

ora vida, ora morte.

 

Vim de muito longe,

passei por Beberibe;

eu sou recifense,

eu sou Capibaribe.

(A Zé da Flauta)

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE).

Feliz, ele…    

Robson Sampaio

(* A Paulo Mendes Campos)

 

O poeta teve o bairro, o mar

e o bar.

Feliz, ele…

Desprezou o outrora para que a

rosa não lhe perturbasse os

sonhos.

O mar teve como o amor maior,

onde derramou lágrimas

para que não se perdessem no

tempo.

Como mágico das palavras (ou seria poesia,

coisa só sua, íntima e necessária?), diz que

a vida enganou a vida, o homem enganou o

homem.

E que multiplicou a sua dor e, também,

a esperança.

Feliz, enganou a todos nós, pois teve o

bairro, o mar e o bar.

Feliz, ele… E eu!

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

Mulher  

*Robson Sampaio

Mulher-menina

Mulher-amiga

Mulher-briga (ou intriga)

Mulher-amada (ou desejada)

Mulher-amor,

Ah, o amor!

 

Amor-gostoso

Sem aval (ou endosso)

Amor-verdade

Amor-instinto

Amor-paixão

Amor-amor

Mulher-saudade

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 Ah, essa mulher bonita!

 

Robson Sampaio

Ah, essa mulher bonita!

Inventa e reinventa modas.

Primeiro, ajustando o corpo

e, depois, a alma,

só para nos agradar.

Por isso, suave é o dia,

doce é essa mulher…

Sorriso delicado, ar atrevido,

espírito irreverente, misto de

mulher e menina, um quê de moleca

com um quê de sensual…

Enigmas em sintonia

com o verde-azul do mar…

Ah, essa mulher bonita!

Por isso, suave é o dia,

doce é essa mulher…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 rsampaioblog@gmail.com

 

Leia Mais

Teatro da Vida (Causos) e Poesias

Joãozinho emburrado na sala de aula, a professora pergunta:
👵 Qual o seu Problema?
Ele Responde:
👦Sou muito inteligente para estar no 1° ano. A minha irmã está no 3° ano e sou muito mais inteligente que ela. Quero ir para o 3° também!!!
A Professora já prevendo problema o manda para a diretoria.
Explicada a situação ao diretor o mesmo diz que terá que fazer alguns testes com o rapaz:
👴Joãozinho, quanto é 3 x 3?
👦9.
👴Quanto é 6 x 6?
👦36.
O diretor continua a bateria de perguntas que um aluno de 3° ano deve responder. Joãozinho não comete erro algum. O diretor já diz para a a professora:
👴Realmente o Joãozinho deve ir para o 3° ano.
A Professora inconformada solicita para fazer algumas perguntas, o diretor e o Joãozinho concordam:
👵O que é que a Vaca tem quatro e eu só tenho duas?
👦Pernas.
👵O que há nas suas calças que não há nas minhas?
👀O diretor arregala os olhos…
👦Bolsos
👵Que parte do Corpo da mulher que Cheira Peixe?
👦O Nariz 👃
👵O que é que entra na frente na mulher e que só pode entrar atrás no homem?
👴O diretor prende a respiração enquanto Joãozinho responde:
👦A Letra M professora!!!
👵Onde é que a Mulher tem o cabelo mais enroladinho?
👦Na África.🇿🇦
👵O que é que entra seco e duro e sai mole e pingando?
👦O Macarrão na panela.🍜
👵O que começa com “B”, tem “C” no meio, termina com “ta”, e para ser usada é preciso abrir as pernas?
👦A Bicicleta. 🚵
👵Qual o Monossílabo tônico que começa com a letra ” C” termina com “U” e ora está sujo ora está limpo?
👴O diretor começa a suar frio.
👦O Céu, Professora! ☀☁
👵O que é que começa com “C” tem duas letras, um buraco no meio e eu já dei para várias pessoas?
👦CD. 💿
Estirado no Chão, com a mão na cabeça, o diretor interrompe:
👴Pelo amor de Deus, põe esse moleque de diretor, porque eu errei TODAS!!!!!!!
😭😭😭😭😭😭😭😭
😂😂😂😂😂😂😂😂
😜😜😜😜😜😜😜😜
👏👏👏👏👏👏👏👏👍
Chorei!!!👆👆

Lula é eleito o maior Ladrão do Mundo…

Lula é eleito pela Revista Inglesa “The Economist” como o maior Ladrão do Mundo. Ele e seus amigos petistas roubaram e desviaram para países Comunistas mais de 10 trilhões do Brasil.

 

 

O Prêmio Nobel de Lula

 

Poesias

 

e-mail: rsampaioblog@gmail.com

Leia Mais

Teatro da Vida – Poesias

 

Poesias

O Dom Pedro  

*Robson Sampaio

Sentados nas cadeiras deste Império,

nós, jornalistas do batente, os poetas e

os boêmios, nos alegramos todas as noites

em busca da eternidade ou da verdade

única, talvez, só nossa.

Sentados nas cadeiras deste Império,

nós, jornalistas do batente, agora sem

os poetas e os boêmios, nos alegramos e

choramos mágoas e salários e, às vezes,

ficamos sós.

Sentados nas cadeiras deste Império,

nós, jornalistas do batente, agora com

os poetas e os boêmios, nos alegramos

outra vez e fazemos do sonho uma

realidade de cada noite.

Sentados nas cadeiras deste Império,

nós, jornalistas do batente, os poetas e

os boêmios, todos “alegres”, somos da

Corte das noites eternas…

 * A Júlio Crucho

  * Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Almas do Dom Pedro  

*Robson Sampaio

O Dom Pedro é só emoções.

Vigas, pilastras e paredes

flutuam cotidianamente

levadas pelos ventos:

ora calmarias, ora tempestades.

Fusão do imaginário?

Em cada canto, uma face,

em cada face, uma história,

ou serão apenas bravatas?

Neste retângulo eterno,

erigido por almas e sentimentos,

esquecemos quem somos e

escondemos, mil vezes,

o próprio rosto…

*Ao Restaurante Dom Pedro

 * Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Ayrton Senna

*Robson Sampaio

 

Frágil Homem de Aço!

Deus é o tempo, é a hora

Você, Senhor Velocidade!

Na última curva da Vida

Os deuses dormiam.

A morte, não!

A máquina insensível

Virou ferros contorcidos

E os anjos te encantaram…

Frágil Homem de Aço!

Deus é o tempo, é a hora

Você, Senhor Velocidade!

Semi-Deus das pistas

Semi-Deus alado

Ave ferida, ave arrebatada

Ídolo e sonho dos mortais…

Frágil Homem de Aço!

Deus é o tempo, é a hora

Você, Senhor Velocidade!

A curva é o limite.

Deus dá, Deus tira.

E no circuito dos Céus

Na ultrapassagem de nuvens e estrelas

Você, Senhor Velocidade,

Fará todas as “Poles” e estará

No “Podium” da Eternidade…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE). O poema foi pôster da Folha de Pernambuco, no dia 1º de maio de 1994, no dez anos da morte do piloto. Ayrton Senna
Eterno Ayrton Senna,…

Em 3 de agosto de 2013, O poema “Ayrton Senna”, de minha autoria e publicado no meu livro “O Recife e Outros Poemas”, foi escolhido para a fanpage facebook.com/oficialayrtonsenna e http//migre.me/fEtrE.

…o nosso campeão

Foi pôster, da Folha de Pernambuco, em 1º. de maio de 2004, nos 10 anos da morte do piloto. E recebeu no dia, das 11h às 18h de ontem, mais de mil acessos em todo o mundo e com versão também em inglês.

Adeus, meu Capitão!  

Robson Sampaio *

Sol de fogo,

terra batida,

 

punhal e mosquetão.

Treme a caatinga

com medo do Capitão.

Calam-se, as armas!

Maria Bonita com

a flor na mão.

Treme em desejos

o amor de Lampião.

Fogo cruzado,

tocaia grande,

só danação!

Treme Angico,

Adeus, meu Capitão!

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Sinfonia dos Vagabundos      

*Robson Sampaio

Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

compor a Sinfonia dos poetas,

boêmios e miseráveis.

Vaguemos pelas ruas sujas e

fétidas, onde chagas de dor

e de desespero são expostas na

Sinfonia de todos os dias.

Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

ouvir a ladainha das devotas

beatas a compor a Sinfonia

dos pecadores de corpo e de alma.

Vagabundos, uni-vos!

Vinde louvar o Recife e

cantar o frevo-canção de dor,

de tristeza e de saudade,

num cântico excêntrico da

Sinfonia dos Vagabundos…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

AntiCristo? 

*Robson Sampaio

Ele não nasceu numa manjedoura,

nasceu na favela mesmo.

Não teve uma linda estrela

a guiar os passos de ilustres visitantes,

mas, apenas, uma vela acesa

e uma solidão a dois.

Não teve José e Maria,

só teve Severina mesmo.

Não cresceu feliz ao lado dos pais

e nem era dotado de luz.

Cresceu nos becos

e nas esquinas das ruas sujas,

povoadas de vícios e misérias.

Não ensinou o bem,

porque só aprendeu o mal.

Não fez milagres,

porque já não existem milagres.

Em comum com Jesus,

só mesmo o sofrimento

e, talvez, a morte.

Por causa da maldade dos homens,

um morreu crucificado na cruz

para salvar a todos nós.

Enquanto ele, crivado de balas,

numa rua imunda,

com o título de marginal.

Nem por isso, são tão diferentes.

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

rsampaioblog@gmail.com

 

 

 

Leia Mais

Teatro da Vida (Causos) e Poesias

O NORDESTINO ☀😀
“ôxe”,
“mainha”,
“danôsse”,
“eita mulesta”,
“arrede o pé”,
“xero no cangote”,
 “maluvido”,
“que presepada é essa?”,
 “oh desmantelo”,
“visse?
 “uó”,
 “deixe de pantim”,
“caba da peste”,
“marrapaz/marmenino”,
 “iapois?”,
“mundiça”,
“vareit”,
“fi duma égua”,
 “catrevagem”,
“bom que só”,
“valei-me”,
“pegue o beco”,
“pia”,
“bença?”,
“virado na peitica”,
“cagada e cuspida”,
“deixe de aperreio”,
“se avexe não”,
“miserávi”,
“cabosse”,
“deixe de brabeza”,
 “arriado os 4 pneus”,
“o pobe”,
“arrudeia”,
“onde eu fui amarrar meu jegue?”,
“ô bixinho”,
“pare de bulir aí”,
“e foi, foi?”,
” vôti”,
“ah disgrama”,
“destá”,
“diabéisso?”,
 “tá com a bixiga/mulesta”,
 “infeliz das costas ôca”,
“aí dento”,
“lá em riba”,
“uma ruma”,
“sou teus pariceiro não”,
 “feito a gota serena”,
“eu acho é pouco”,
 “abestalhado”,
 “num fresque não”,
“se não foi, eu cegue”,
“tá tronxo”,
“teteuba”._
 Somos os donos das melhores gírias, do sotaque mais lindo, do povo mais alegre e mais arretado que existe. Oxente, cê num tá vendo que a gente é Nordeste!

Poesias

 

Saudade de você

*Robson Sampaio

Saudade?

Sim, saudade

do teu corpo.

Só de teu corpo?

Não.

De tua boca

tua pele, teu odor,

teu olhar.

Saudade

de tua voz, teus sussurros,

teus abraços, teus gemidos.

Saudade

de teu sorriso, tuas mãos,

tuas brigas,

do teu jeito se ser.

 

Saudade,

grande, imensa, descomedida,

a sangrar no meu peito e

a calar a minha voz.

Saudade,

de você…

*À Lucinha (minha mulher).

 

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

A vida é a escola do poeta…  

 

  • Robson Sampaio *

A arte de escrever

é a arte de ler,

dizem os eruditos.

A arte de viver

é a arte de aprender,

dizem os leigos.

 

Por isso, leio pouco,

por isso, escrevo pouco.

Porém, vivo muito e,

talvez, aprenda muito.

Talvez, seja um poeta,

Talvez, só um prosador.

 

Mas, os versos brotam da vida

e a vida é uma escola.

Daí, leio pouco,

daí, escrevo pouco.

Por isso, repito:

Porém, vivo muito e,

talvez, aprenda muito.

– A vida é a escola do poeta…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Favela, cadela…    

*Robson Sampaio
 No ventre

filhotes famintos,

cães da desesperança.

No uivo sinistro, latidos só

de lamentos…

Favela, cadela…

 

No meio do lixo,

parida de vira-latas,

cruzada com cão raivoso,

mãe de triste matilha….

Favela, cadela…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

“Poetisa Ardente”  

*Robson Sampaio
O tom alaranjado do fogo nas vestes

adquire rapidamente a cor vermelha

ao queimar a carne.

 

As chamas transformam o corpo

da “Poetisa Ardente” em tocha humana,

sem, contudo, lhe atingir a alma.

 

A frustração da “Poetisa Ardente”,

ao se imolar na fogueira de livros,

é raio incandescente a traçar no Céu

o desespero cotidiano de todos nós.

 

E, certamente, Deus te dirá:

-Bom-dia, “Poetisa Ardente”, sorrias

para a Eternidade…”

 * Homenagem a uma servidora pública que, desesperada com a sua situação financeira, fez uma fogueira com os livros, se jogou dentro e morreu carbonizada em sua casa.

 * Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

 

 

Desabafo              

*Robson Sampaio

Eu queria falar

Faltaram palavras

Eu queria gritar

Faltou voz

Eu queria chorar

Faltaram lágrimas

Eu queria sorrir

Faltou alegria

Eu queria ser bom

Faltou compreensão

Eu queria ser mau

Faltou coragem

Eu queria ter fé

Faltou crença

Eu queria ser feliz

Faltou você

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 

Sem vacinas  

  *Robson Sampaio

  Cão vadio, solto nas favelas (sujo, esquálido

e faminto) – aos milhões.

 

Cão raivoso, solto nas ruas (colérico, danoso

e assassino) – aos milhares.

 

Cão farejador, solto nos quartéis (investigador, repressor

e violento) – aos milhares.

 

Cão de raça, solto nos condomínios (forte, limpo

e perfumado) – aos milhões.

 

Cão de caça, solto nos gabinetes (ditador, especulador

e opressor ) – aos milhares.

 

Cão infiel, solto nas tribunas (narcisista, embusteiro

e fisiológico) – aos milhares.

 

Matilhas sem vacinas – Todos!

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

 Indiferença        

*Robson Sampaio

 

Olhos esbugalhados,    

 

cabeça pendente,

mão no queixo,

semblante triste,

olhar no nada.

 

Alma ferida,

carne cortada,

solidão deserta,

aridez da vida,

vida feito pedra,

indiferença coletiva.

 

Olhos esbugalhados,

cabeça pendente,

mão no queixo,

fome amarga,

revolta no peito…

 * Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Ah, essa mulher bonita!

*Robson Sampaio

Ah, essa mulher bonita!

Inventa e reinventa modas.

Primeiro, ajustando o corpo

e, depois, a alma,

só para nos agradar.

Por isso, suave é o dia,

doce é essa mulher…

Sorriso delicado, ar atrevido,

espírito irreverente, misto de

mulher e menina, um quê de moleca

com um quê de sensual…

Enigmas em sintonia

com o verde-azul do mar…

Ah, essa mulher bonita!

Por isso, suave é o dia,

doce é essa mulher…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Tigresa

*Robson Sampaio

Os olhos da tigresa

são esmeraldas incrustadas

nas águas verdes do mar.

Luzes que refletem o brilho

dessa mulher, porém, não

decifram os enigmas da sua

alma…

 

Os olhos da tigresa

são lanças flamejantes de desejo

e de paixão,

a rasgar entranhas e a ferir

com a dor bendita encravada

no coração…

 

Os olhos da tigresa são

a força felina de cada gesto,

a expor também a graça e a leveza,

enquanto o seu corpo resplandece

toda a beleza das fêmeas sensuais

e só domadas pelas carícias

do amor…

* Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

Espanto    

*Robson Sampaio

Sombras, sombras

e mais sombras

Dia, noite, madrugada,

Assombrosas,

Mal-assombradas,

Embruxadas,

Enfeitiçadas,

 

Dia, noite, madrugada,

 

Maléficas,

Soturnas,

Escuras

Fantasmagóricas

 

Dia, noite, madrugada

 

Pavorosas

Medonhas

Horrorosas

Macabras

Tênues réstias

das mortes.

 * Jornalista, poeta, da Academia Recifense de Letras/Cadeira 22- Patronesse: Thargélia Barreto de Menezes, e da União Brasileira de Escritores (UBE/PE).

e-mail: rsampaioblog@gmail.com

Leia Mais