O PODER DAS MÃOS DADAS

De Cláudio de Melo Silva – Olinda/PE

Eu e a esposa estávamos caminhando de mãos dadas pelo centro do Recife, quando duas mulheres vinham atrás de nós, acompanhando os nossos passos. Eu estava atento ao trânsito para atravessar uma via de tráfego e não prestei atenção aos assuntos que as duas tratavam, porém a esposa me disse depois que ouviu quando uma dessas senhoras disse para a outra: “Eu só queria ser feliz no amor”. A partir daí passamos a prestar atenção aos casais que caminhavam em todas as direções e não vimos nenhum deles de mãos dadas. Algumas outras pessoas olhavam aquele nosso gesto com ar de admiração ou como aquilo fosse algo incomum. Será que o estresse da vida corrida de hoje está destruindo a amorosidade dos casais?

No site “dicasdemulher” eu tomei conhecimento de um recente estudo da Universidade da Virgínia, coordenado pelo psicólogo Dr. James Coan, mostrando que é importante andar de mãos dadas com o (a) parceiro(a), um procedimento que antes de tudo é desestressante e pode ter efeitos poderosos para a saúde, além de tratar-se de um ato carinhoso e simbolizar proteção. Quanto ao desejo daquela senhora em ter sorte no amor, só depende dela mesma. Na nossa sociedade observamos pessoas se dedicando com afinco à religião, aos estudos e ao trabalho, sem ter os mesmos cuidados com o seu relacionamento amoroso. Para ter sorte no amor, precisamos entender que o companheiro tem costumes e preferências divergentes da nossa e, portanto, temos que aceitá-las e estar ao seu lado em qualquer situação.

Sobre esta recomendação lembro que no passado tive uma namorada que foi passar um final de semana lá em casa e somente ela escolhia as músicas que queria ouvir e os programas na TV que desejava assistir, sendo um deles aquelas novelas mexicanas muito mal dubladas. Na hora do amor, perguntou se eu fazia aquilo com todas, preocupada com um passado que não foi dela e esquecendo-se de se dedicar ao presente. Na hora de passearmos, me disse que não era criança para andar de mãos dadas, pois não havia o perigo dela se perder de mim. Ainda hoje, quando eu ou a esposa queremos pegar na mão do outro, dizemos: “ME DÊ A MÃO PARA NÃO SE PERDER!”.

Sobre as mãos da pessoa amada, existe uma música bem antiga, intitulada “Queiro beijar-te as mãos”. É uma valsa gravada pelo cantor Anísio Silva, cujo clipe foi postado por Maurício Batista Queiroz. Confira, clicando no link abaixo. 

Bom final de semana para todos!

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *