Cepe Editora está disponibilizando dez títulos gratuitamente para leitura durante o mês de abril

Entre os títulos disponíveis estão obras esgotadas e autores consagrados. O acesso poderá ser feito até o próximo dia 30

Para celebrar o Mês do Livro, até o dia 30 de abril, a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) oferece o download gratuito de dez e-books, repetindo o sucesso de 2020. Esta é a terceira ação da empresa, desde o início da pandemia, no sentido de democratizar o acesso à leitura e incentivar as pessoas a ficarem em casa, promovendo a hashtag #JuntosNaLeitura. Duas datas marcam a ação: Dia Mundial do Livro (23) e Dia Nacional do Livro Infantil (18). Para baixar os títulos basta acessar as principais plataformas digitais (Amazon, Apple, Kobo, Livraria Cultura e Google Play Books).

Nesta campanha, as obras liberadas trazem diversidade de gênero, livros esgotados em sua versão impressa, muito procurados pelos leitores, e autores consagrados como Cida Pedrosa (Prêmio Jabuti 2020) e Silviano Santiago. Os títulos são: Três homens chamados João – Uma tragédia em 1930 (Ana Maria César), O Brasil de Gilberto Freyre (Mário Helio), A emparedada da Rua Nova (Carneiro Vilela), Jogo de cena (Andrea Nunes), Gris (Cida Pedrosa), Memórias do Araguaia (Dagoberto Alves Costa), Uma literatura nos trópicos (Silviano Santiago), Genealogia da Ferocidade (Silviano Santiago), O breve fulgor do tempo (José Rodrigues de Paiva) e Viagem ao Brasil – 1644-1654 (Peter Hansen Hajstrup).

Além dessa ação, em compras a partir de R$ 80,00, feitas na loja on-line, o consumidor ganhará o exemplar do título O que eu disse e o que me disseram: A improvável vida de Geraldo Freire. Em março do ano passado, a Cepe disponibilizou 14 e-books para download gratuito. Em abril de 2020, mais dez e-books foram liberados.

“Com essa iniciativa, a Cepe reforça seu compromisso com a democratização do acesso ao livro. O Brasil vive hoje uma realidade cruel marcada por ataques do Governo Federal às políticas públicas de cultura, educação e fomento à leitura. É preciso que a sociedade atenda ao chamado em defesa do livro; que refute o pensamento de que livro é coisa de elite e de que pobre não lê para justificar a tributação sobre os livros”, destacou o presidente Ricardo Leitão.

Confira a sinopse dos 10 e-books liberados:


Três Homens Chamados João – Uma tragédia em 1930
 (2020)

Autora: Ana Maria César

400 páginas

A obra reproduz o cenário da tragédia que se abateu sobre João Pessoa, João Dantas e João Suassuna e analisa a os antecedentes, a partir dos fatos, mostrando a ação do tempo no apaziguamento das paixões desenfreadas que os moveram. Trata-se de uma homenagem aos joões, vértices de três triângulos, unidos e indissociáveis, e às vítimas inocentes que foram alcançadas pela voracidade dos acontecimentos, Augusto Moreira Caldas e Anayde Beiriz.

O Brasil de Gilberto Freyre: Uma introdução à leitura de sua obra (2020)

Autor: Mário Helio

244 páginas

Publicado pela primeira vez há duas décadas, o livro apresenta aos leitores, de maneira didática, os pilares mais importantes do pensamento de Gilberto Freyre, ainda hoje em constante reavaliação e releituras. Com ilustrações do artista Zé Cláudio, a obra é um convite a imergir no universo da sociologia, antropologia e historiografia freyriana. 

A Emparedada da Rua Nova (2013)

Autor: Carneiro Vilela 

518 páginas

Clássico da literatura pernambucana, o livro deve seu sucesso ao mistério que cerca sua criação. Nele, o autor retrata um crime verdadeiro, em que uma jovem foi emparedada pelo próprio pai. Há quem diga, no entanto, que o autor costurou tão bem a história que ela se passou por verdadeira, mas que na verdade é fictícia. De fato, o enredo envolve o leitor em um redemoinho de emoções, paixões e loucura, cujo ápice é o assassinato de uma jovem grávida e de seu amante. 

Jogo de Cena (2019)

Autora: Andrea Nunes

327 páginas

O romance policial narra a morte de um boticário francês na fictícia cidade de Mangueirinhas desencadeia uma sucessão de outros crimes, aparentemente provocados por assombrações do folclore nordestino. Para solucioná-los, a jovem delegada da cidade conta com a ajuda do filho do seu padrasto, um historiador que renega as origens. A autora utiliza informações verídicas sobre projetos científicos para encher o livro de ação, suspense e muitas reviravoltas. 

Gris (2018)

Autora: Cida Pedrosa

140 páginas

Vencedora do Prêmio Jabuti e Livro do Ano de 2020, com Solo para vialejo (Cepe Editora), Cida traz nesta obra uma coletânea de 50 poemas que resumem o viver na cidade. Curtos e cortantes, os poemas levam os leitores a um passeio por paisagens coloridas em contraste com o cinza dos asfaltos e edifícios, revelando pele, músculo, nervos, sangue e coração. Obra essencial de uma das mais relevantes vozes da poesia contemporânea. 

Memórias do Araguaia – Depoimentos de um ex-guerrilheiro (2018)

Autor: Dagoberto Alves da Costa

104 páginas

O psicólogo Dagoberto Alves da Costa, que vivenciou na juventude a ditadura militar brasileira, revela neste livro como os sonhos da juventude da época foram transformados em pesadelo. O ex-guerrilheiro, após um tempo silencioso, foi encorajado pela esposa, a jornalista e deputada Terezinha Nunes, a narrar experiências, detalhes e horrores que presenciou, o que faz de forma sensível e minuciosa, iluminando assim uma página escura da história do Brasil.

Uma literatura nos trópicos (2019)

Autor: Silviano Santiago

369 páginas

Vencedor do Prêmio Casa de Las Américas 2020 (tradução espanhola), Uma literatura nos trópicos traz textos críticos fundamentais na obra de Silviano Santiago, e inclui os cinco ensaios que foram retirados da edição original, de 1978, reafirmando a originalidade do pensamento do autor. De José de Alencar a Caetano Veloso, de Eça de Queiroz a Sérgio Sant’Anna, trafegando ainda entre a biblioteca e o babado das ruas e da cultura popular de massa, parece até que nada escapa ao olhar agudo do ensaísta.


Genealogia da ferocidade (2017)

Autor: Silviano Santiago

117 páginas

Genealogia da Ferocidade volta a comprovar a potência da ensaística de Silviano Santiago. Ele aponta como a tradição crítica sempre esteve mais interessada em domesticar a monstruosidade da escrita rosiana do que em deixar-se seduzir pela originalidade da “beleza selvagem” de Grande Sertão: Veredas. O “monstro Rosa” (como Silviano descreve o romance) não aceita domesticação. Esse ensaio inaugura o selo Suplemento Pernambuco, voltado a obras que pensam as relações entre literatura e o contemporâneo.


O breve fulgor do tempo (2019)

Autor: José Rodrigues Paiva

307 páginas

A poesia de José Rodrigues de Paiva revela uma grande fixação no passado, incorporando até raízes mais antigas e profundas que o prendem a um passado remoto — que seus olhos não viram —, além de uma escrita focada em suas lembranças de infância na Várzea recifense, onde ele revisita cenas que viu, viveu ou imaginou. Numa permanente preocupação com o tempo, a poesia de Rodrigues de Paiva se pauta pela recordação, que é uma das dimensões da problemática existencial do homem.


Viagem ao Brasil (1644-1654) – 2016

Autor: Peter Hansen Hajstrup

130 páginas

Este livro traz um dos raros relatos de gente de baixa patente recrutada pela Companhia das Índias Ocidentais para servir em seu exército estacionado no Brasil, durante 24 anos de ocupação. Seu autor, Peter Hansen Hajstrup, é um jovem de origem camponesa proveniente da Dinamarca, tornado soldado, que descreve os estertores da presença holandesa em Pernambuco, entre 1644 e 1654, num relato de violência e miséria.

Assessoria de Imprensa

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *